A história

CVL 22 U.S.S. Independência - História


CVL 22 U.S.S. Independência

CVL-22: dp. 11.000, 1. 622'6 ", b. 71'6 ~. Ew. 109'2", dr. 26 '; s. 31 k .; cpl. 1.569; uma. 26 40mm .; cl. Independência)

A quarta Independência (CV-22), iniciada como Amsterdã (CL-59), foi lançada como CV-22 em 22 de agosto de 1942 pela New York Shipbuilding Corp., Camden. N.J.; patrocinado pela Sra. Rawleigh Warner; e comissionado em 14 de janeiro de 1943, CaptainG. R ~ Fairlamb, Jr., no comando.

O Independence, o primeiro de uma nova classe de porta-aviões convertido de cascos de cruzeiro, conduziu o treinamento de shakedown no Caribe. Ela então navegou pelo Canal do Panamá para se juntar à Frota do Pacífico, chegando a São Francisco em 3 de julho de 1943. A independência começou em Pearl Harbor em 14 de julho e, após 2 semanas de exercícios de treinamento vital, navegou com os porta-aviões Essex e Yorktown para um ataque devastador na Ilha de Marcus. Aviões da força de porta-aviões atacaram 1 de setembro e destruíram mais de 70 por cento das instalações na ilha. O porta-aviões iniciou sua próxima operação, um ataque semelhante contra a Ilha Wake 5 a 6 de outubro, como CVL-22. redesignado em 15 de julho de 1943.

O Independence partiu de Pearl Harbor para o Espírito Santo em 21 de outubro e, durante um ataque de porta-aviões que se seguiu a Rabaul, em 11 de novembro, os artilheiros do navio obtiveram seu primeiro sucesso - seis aviões japoneses abatidos. Depois dessa operação, o porta-aviões reabasteceu em Espiritu Santo e se dirigiu aos Gilberts e aos ataques pré-aterrissagem em Tarawa de 18 a 20 de novembro de 1943. Durante um contra-ataque japonês em 20 de novembro, o Independence foi atacado por um grupo de aviões no fundo do mar. Seis foram abatidos, mas os aviões conseguiram lançar pelo menos cinco torpedos, um dos quais acertou a lateral de estibordo do porta-aviões. Gravemente danificado, o navio rumou para Funafuti em 23 de novembro para reparos. Com a operação Gilberts, primeiro passo na estrada do Pacífico para o Japão, em andamento, o Independence voltou a São Francisco em 2 de janeiro de 1944 para reparos mais permanentes.

O veterano porta-aviões retornou a Pearl Harbor em 3 de julho de 1944. Durante o período de reparos, o navio recebeu uma catapulta adicional; e após sua chegada às águas havaianas, o Independence começou a treinar para operações noturnas de porta-aviões. Ela continuou esse trabalho pioneiro de 24 a 29 de agosto em Eniwetok. O navio partiu com um grande grupo de trabalho em 29 de agosto para participar da operação Palaus, com o objetivo de garantir bases para o ataque final às Filipinas em outubro. Independence forneceu reconhecimento noturno e patrulha aérea de combate noturno para a Força-Tarefa 38 durante esta operação.

Em setembro, a força-tarefa de porta-aviões atacou regularmente as Filipinas na preparação para a invasão. Quando nenhum contra-ataque japonês se desenvolveu neste período, o Independence mudou para operações diurnas regulares atacando os alvos em Luzon. Após o reabastecimento em Ulithi no início de outubro, a grande força partiu em outubro para Okinawa. Nos dias que se seguiram, os porta-aviões atacaram Okinawa, Formosa e Filipinas em uma demonstração impressionante da mobilidade e equilíbrio da frota. Os contra-ataques aéreos japoneses foram repelidos, com o Independence fornecendo grupos de ataque diurno, além de caças noturnos e aeronaves de reconhecimento para proteção defensiva.

Enquanto os grupos de porta-aviões partiam para o leste das Filipinas em 23 de outubro, ficou claro, como o almirante Carney lembrou mais tarde, que "algo em grande escala estava sob os pés". E de fato foi, enquanto a frota japonesa empreendia um esforço de três frentes para fazer recuar a cabeça de ponte americana no Golfo de Leyte. Aviões do Independence's Task Group 38.2, sob o comando do contra-almirante Boogan, avistaram a força de ataque de Kurita no mar de Sibuyan em 24 de outubro e os porta-aviões lançaram uma série de ataques. Aviões da Independência e de outros navios afundaram o navio de guerra gigante Musashi e incapacitaram um cruzador.

Naquela noite, o Almirante Halsey tomou sua decisão fatídica de virar a Força-Tarefa 38 para o norte em busca do grupo de porta-aviões do Almirante Ozawa. Os aviões de busca noturna do Independence fizeram contato e seguiram os navios japoneses até o amanhecer de 25 de outubro, quando os porta-aviões lançaram um ataque maciço. Nessa segunda parte da grande Batalha do Golfo de Leyte, todos os quatro porta-aviões japoneses foram enterrados. Enquanto isso, os navios pesados ​​americanos haviam conquistado uma grande vitória no Estreito de Suriago; e uma força de porta-aviões leve derrotou o restante dos navios de Rurita na Batalha de Samar. Após a grande batalha, que virtualmente significou o fim da Marinha japonesa como uma ameaça para o prefeito, o Independence continuou a fornecer aviões de busca e proteção noturna para caças da Força-Tarefa 38 instrikes nas Filipinas. Nessas operações, o navio contribuiu para um grande desenvolvimento nas operações do grupo de transportadores.

Independence retornou a Ulithi para descanso e reabastecimento há muito adiado de 9 a 14 de novembro, mas logo começou a operar nas Filipinas ataques noturnos e operações defensivas. Essa fase continuou até 30 de dezembro de 1944, quando a grande força-tarefa partiu de Ulithi mais uma vez e avançou para o norte. De 3 a 9 de janeiro, os porta-aviões apoiaram o desembarque Lingayen em Luzon, após o que Halsey levou sua frota em uma ousada incursão no Mar da China Meridional. Nos dias que se seguiram, a aeronave atingiu bases aéreas em Formosa e nas costas da Indochina e da China. Essas operações em apoio à campanha das Filipinas marcaram o fim das operações noturnas do porta-aviões, e ele partiu em 30 de janeiro de 1945 para reparos em Pearl Harbor.

A independência voltou a Ulithi em 13 de março de 1945 e começou no dia seguinte para as operações contra Okinawa, último alvo no Pacífico antes do próprio Japão. Ela realizou ataques pré-invasão de 30 a 31 de março e, após o ataque de 1º de abril, permaneceu fora da ilha, fornecendo aviões de patrulha aérea de combate e de ataque. Seus aviões derrubaram vários aviões inimigos durante os desesperados ataques japoneses à força de invasão. Independence permaneceu fora de Okinawa até 10 de junho, quando navegou para Leyte.

Durante julho e agosto, o porta-aviões participou dos ataques finais contra o próprio Japão, ataques que baixaram o moral do inimigo e tiveram muito a ver com a rendição final. Após o fim da guerra em 15 de agosto, a aeronave Independence continuou os voos de vigilância sobre o continente, localizando campos de prisioneiros de guerra e cobriu os desembarques das tropas de ocupação aliadas. O navio partiu de Tóquio em 22 de setembro de 1945, chegando a São Francisco via Saipanand Guam em 31 de outubro.

Independence juntou-se à frota do "Magic-Carpet" a partir de 15 de novembro de 1945, transportando veteranos de volta aos Estados Unidos até chegar a San Francisco em 28 de janeiro de 1946. Designada como navio-alvo para os testes da bomba atômica Bikini, ela foi colocada a menos de meia milha do solo zero para a explosão de 1 de julho. O navio veterano não afundou, no entanto, e depois de participar de outra explosão, 25 de julho foi levado para Kwajalein e descomissionado em 28 de agosto de 1946. O hulk altamente radioativo foi posteriormente levado para Pearl Harbor e San Francisco para testes adicionais, e finalmente afundou os testes de armas a costa da Califórnia em 29 de janeiro de l951.

Independence recebeu oito estrelas de batalha pelo serviço prestado na Segunda Guerra Mundial.


EUA INDEPENDÊNCIA

O quarto navio a levar o nome Independência, este CVL-22 foi lançado em 1942 em Camden, New Jersey e encomendado pela Marinha no início de 1943. Independência estava entre a classe de porta-aviões criada pela conversão de cascos de cruzadores.

Depois de completar o treinamento no Caribe, ela navegou pelo Canal do Panamá e juntou-se à Frota do Pacífico em San Francisco. Ela participou de exercícios de treinamento cruciais em Pearl Harbor e mais tarde navegou com outros transportadores Essex e Yorktown para invadir a Ilha Marcus para destruir a maioria das instalações na ilha. Independência seguiu esse sucesso por meio de uma operação semelhante contra a Ilha Wake em 1943.

Independência continuou seus ataques, obtendo sucesso ao abater seis aviões japoneses. Depois de reabastecer no Espírito Santo, ela seguiu para as Gilberts e completou ataques em Tarawa.

Os japoneses lançaram um contra-ataque em Independência. Ela foi atacada por aeronaves que dispararam torpedos. Um dos torpedos a atingiu e causou sérios danos. Ela voltou a São Francisco no início de 1944 para reparos.

Corrigido e pronto para atacar

Independência continuou a servir em missões destinadas a destruir o inimigo. Quando ficou claro que os japoneses não estavam lançando contra-ataques, ela mudou para tarefas diurnas regulares e tarefas de reconhecimento noturno quando necessário. Ela também desempenhou papéis importantes em missões nas Filipinas e Okinawa. Após a guerra, ela ajudou a transportar veteranos do teatro do Pacífico para casa. Seu serviço ilustre durante a Segunda Guerra Mundial rendeu-lhe oito estrelas de batalha.

Depois de seu valente serviço durante a Segunda Guerra Mundial, Independência serviu como uma nave-alvo durante os testes da bomba atômica em Bikini. Embora ela não tenha afundado com as explosões, ela sofreu danos e estava estudando a exposição radioativa. Ela foi desativada e afundada na costa das Ilhas Farallon.


CVL 22 U.S.S. Independência - História

A história do poderoso eu

A quarta Independência (CV-22), iniciada como Amsterdã, (CL-59), foi lançada como CV-22 em 22 de agosto de 1942 pela New York Shipbuilding Corp., Camden, NJ, patrocinado pela Sra. Rawleigh Warner e comissionado em 14 de janeiro de 1943, o Capitão GR Fairlamb, Jr., no comando.

O primeiro de uma nova classe de porta-aviões convertidos de cascos de cruzeiro, o Independence conduziu o treinamento de shakedown no Caribe. Ela então navegou pelo Canal do Panamá para se juntar à Frota do Pacífico, chegando a São Francisco em 3 de julho de 1943. A independência começou para Pearl Harbor em 14 de julho e, após 2 semanas de exercícios de treinamento vital, navegou com os porta-aviões Essex e Yorktown para um ataque devastador na Ilha de Marcus. Aviões da força de porta-aviões atacaram no dia 1º de setembro e destruíram mais de 70 por cento das instalações da ilha. O porta-aviões iniciou sua próxima operação, um ataque semelhante contra a Ilha Wake nos dias 5 e 6 de outubro como CVL-22, redesignado em 15 de julho de 1943.

A independência partiu de Pearl Harbor para o Espírito Santo no dia 21 de outubro e, durante um ataque de porta-aviões a Rabaul no dia 11 de novembro, os artilheiros do navio obtiveram seu primeiro sucesso - seis aviões japoneses abatidos. Depois dessa operação, o porta-aviões reabasteceu em Espiritu Santo e se dirigiu para Gilberts e greves de pré-aterrissagem em Tarawa de 18 a 20 de novembro de 1943. Durante um contra-ataque japonês em 20 de novembro, o Independence foi atacado por um grupo de aviões de baixo da agua. Seis foram abatidos, mas os aviões conseguiram lançar pelo menos cinco torpedos, um dos quais acertou a estibordo do porta-aviões. Gravemente danificado, o navio partiu para Funafuti no dia 23 de novembro para reparos. Com a operação Gilberts, primeiro passo na estrada do Pacífico médio para o Japão, em andamento, o Independence voltou a San Francisco em 2 de janeiro de 1944 para reparos mais permanentes.

O veterano porta-aviões retornou a Pearl Harbor em 3 de julho de 1944. Durante o período de reparos, o navio recebeu uma catapulta adicional e, após sua chegada às águas havaianas, o Independence começou a treinar para operações noturnas de porta-aviões. Ela continuou este trabalho pioneiro de 24 a 29 de agosto em Eniwetok. O navio partiu com um grande grupo de trabalho no dia 29 de agosto para participar da operação Palaus, com o objetivo de garantir bases para o ataque final às Filipinas em outubro. Independence forneceu reconhecimento noturno e patrulha aérea de combate noturno para a Força-Tarefa 38 durante esta operação.

Em setembro, a força-tarefa de porta-aviões atacava regularmente as Filipinas em preparação para a invasão. Quando nenhum contra-ataque japonês se desenvolveu neste período, o Independence mudou para operações diurnas regulares, atingindo alvos em Luzon. Após o reabastecimento em Ulithi no início de outubro, a grande força sorteada em 6 de outubro para Okinawa. Nos dias que se seguiram, os porta-aviões atacaram Okinawa, Formosa e Filipinas, em uma demonstração impressionante da mobilidade e equilíbrio da frota. Os contra-ataques aéreos japoneses foram repelidos, com o Independence fornecendo grupos de ataque diurno, além de caças noturnos e aeronaves de reconhecimento para proteção defensiva.

Como os grupos de porta-aviões partiram para o leste das Filipinas no dia 23 de outubro, tornou-se aparente, como o almirante Carney lembrou mais tarde, que "algo em grande escala estava sob os pés". E de fato foi, enquanto a frota japonesa se movia em um esforço de três frentes para fazer recuar a cabeça de praia americana no Golfo de Leyte. Aviões do Independence's Task Group 38.2, sob o contra-almirante Bogan, avistaram a força de ataque de Kurita no Mar de Sibuyan no dia 24 de outubro e os porta-aviões lançaram uma série de ataques. Aviões da Independence e de outros navios afundaram o navio de guerra gigante MUSASHI e desativaram um cruzador.

Naquela noite, o Almirante Halsey tomou sua decisão fatídica de virar a Força-Tarefa 38 para o norte, em busca do grupo de porta-aviões do Almirante Ozawa. Os aviões de busca noturnos do Independence fizeram contato e seguiram os navios japoneses até a madrugada de 26 de outubro, quando os porta-aviões lançaram um ataque massivo. Nesta segunda parte da grande Batalha pelo Golfo de Leyte, todos os quatro porta-aviões japoneses foram afundados. Enquanto isso, os navios pesados ​​americanos obtiveram uma grande vitória no Estreito de Suriago e uma força de porta-aviões leve derrotou o restante dos navios de Kurita na Batalha de Samar. Após a grande batalha, que praticamente significou o fim da Marinha Japonesa como uma grande ameaça, o Independence continuou a fornecer aviões de busca e proteção noturna para a Força-Tarefa 38 em ataques às Filipinas. Nessas operações, o navio contribuiu para um grande desenvolvimento nas operações do grupo de transportadores.

A dependência retornou a Ulithi para descanso e reposição há muito adiados de 9 a 14 de novembro, mas logo começou a operar ao largo das Filipinas em ataques noturnos e operações defensivas. Essa fase continuou até 30 de dezembro de 1944, quando a grande força-tarefa partiu de Ulithi mais uma vez e se moveu para o norte. De 3 a 9 de janeiro, os porta-aviões apoiaram os desembarques Lingayen em Luzon, após o que Halsey levou sua frota em uma ousada incursão no Mar da China Meridional. Nos dias que se seguiram, a aeronave atingiu bases aéreas em Formosa e nas costas da Indochina e da China. Essas operações em apoio à campanha das Filipinas marcaram o fim das operações noturnas do porta-aviões, que partiu em 30 de janeiro de 1945 para reparos em Pearl Harbor.

A dependência voltou a Ulithi em 13 de março de 1945 e iniciou no dia seguinte as operações contra Okinawa, último alvo no Pacífico antes do próprio Japão. Ela realizou ataques de pré-invasão de 30 a 31 de março, e após o assalto de 1 de abril permaneceu fora da ilha abastecendo Patrulha Aérea de Combate e aeronaves de ataque. Seus aviões derrubaram vários aviões inimigos durante os desesperados ataques japoneses à força de invasão. Independence permaneceu fora de Okinawa até 10 de junho, quando navegou para Leyte.

Em julho e agosto, o porta-aviões participou dos ataques finais do porta-aviões contra o próprio Japão, ataques que baixaram o moral do inimigo e tiveram muito a ver com a rendição final. Após o fim da guerra em 15 de agosto, a aeronave Independence continuou os voos de vigilância sobre o continente, localizando campos de prisioneiros de guerra e cobrindo os desembarques das tropas de ocupação Aliadas. O navio partiu de Tóquio em 22 de setembro de 1945, chegando a São Francisco via Saipan e Guam em 31 de outubro.

A I ndependence juntou-se à frota "Magic-Carpet" a partir de 15 de novembro de 1945, transportando veteranos de volta aos Estados Unidos até chegar a San Francisco mais uma vez em 28 de janeiro de 1946. Designado como navio-alvo para os testes da bomba atômica Bikini, ela foi colocada a meia milha do marco zero para a explosão de 1º de julho. O navio veterano não afundou, no entanto, e depois de participar de outra explosão em 25 de julho foi levado para Kwajalein e desativado em 28 de agosto de 1946. O Hulk altamente radioativo foi posteriormente levado para Pearl Harbor e San Francisco para mais testes e foi finalmente enterrado por testes de armas na costa da Califórnia em 29 de janeiro de 1951.

A independência recebeu oito estrelas de batalha pelo serviço prestado na Segunda Guerra Mundial.

Porta-aviões rápido da terceira frota do Almirante Halsey e navio de sua classe
Construído pela New York Shipbuilding Corp, Camden, Nova Jersey
Encomendado em 14 de janeiro de 1943
Primeiro transportador noturno dos EUA, de 16 de agosto de 1944 a 26 de janeiro de 1945 - Mais tarde Um transportador diurno.
Comprimento 619 pés Viga total (convés de vôo) 109 pés
Tonelagem 14.751 toneladas de velocidade 32 nós no máximo
Alcance de cruzeiro 12.100 milhas a 15 nós
Milhas viajadas 199.000

O elogio da tripulação e do avião
86 Oficiais 1235 Homens Alistados 41 Fuzileiros Navais Não incluindo Grupo Aéreo de 114
36 caças ou 24 caças e 9 torpedeiros

Noivados
1943 Marcus, Wake, Rabaul and Tarawa (o navio foi torpedeado em 20 de novembro de 1943)
1944 Palau, Filipinas, Okinawa, Formosa, Batalha pelo Golfo de Leyte
1945 Formosa, Indochina, Costa da China, Invasão de Okinawa, Japão
Declaração e ocupação do Japão

Caixa de pontos
Aviões inimigos abatidos por aviões 101 - Por navio, canhões antiaéreos 12


Remessa Afundada
9 navios mercantes O cruzador Oyoda E uma escolta de contratorpedeiro


Envio danificado
Encouraçados Nagato e Haruna
Heavy Cruiser - Tone Carrier Ryuho 3 - Destroyer Escorts


Fotos: Descoberto porta-aviões da era da Segunda Guerra Mundial

Cientistas da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional, em parceria com a Boeing, localizaram o porta-aviões USS Independence, localizado a quase meia milha abaixo do Oceano Pacífico, na costa da Califórnia. Imagens de sonar revelaram a condição do navio propositalmente afundado. [Leia a história completa sobre o naufrágio do USS Independence]

USS Independence

Recursos em uma foto histórica da USS Independência Os CVL 22 são capturados em uma imagem de sonar tridimensional (3D) de baixa resolução do naufrágio no Santuário Marinho Nacional da Baía de Monterey. O sonar Coda Octopus Echoscope 3D, integrado no Boeing Autonomous Underwater Vehicle (AUV) Echo Ranger, fotografou o naufrágio durante a primeira pesquisa arqueológica marítima. A imagem do sonar com tons de cor laranja (inferior) mostra o contorno de um possível avião na abertura da escotilha do elevador dianteiro da aeronave. (Crédito: NOAA, Boeing e Coda Octopus.)

Echo Ranger

Durante a missão de 2015 para pesquisar o ex-USS Independência CVL 22, o navio de pesquisa do Escritório de Santuários Marinhos Nacionais Fulmarserviu como barco de escolta para Boeing & rsquos Autonomous Underwater Vehicle (AUV) Echo Ranger. O navio catamarã de pesquisa de alumínio de 67 pés e a tripulação do rsquos estão se preparando para rebocar Echo Ranger para o mar. (Crédito: Robert V. Schwemmer, NOAA.)

Fonte de energia

O engenheiro de projeto da Boeing, Ross Peterson, supervisiona a instalação da bateria de polímero de lítio no Veículo Submarino Autônomo da Boeing (AUV) Echo Ranger em Half Moon Bay. A bateria foi projetada especificamente para o AUV, fornecendo a energia necessária para a missão de ida e volta de 60 milhas no Santuário Marinho Nacional da Baía de Monterey. (Crédito: Robert V. Schwemmer, NOAA.)

Echo Ranger

Ilustração de Echo Ranger. (Crédito: Boeing.)

Atenção às Cores

Reúna-se na cabine de comando do USS Independência (CVL 22), 1943. & ldquoAttention to Colors & rdquo, pois a bandeira americana está sendo hasteada. (Crédito: US Navy, National Archives.)

Localizando história

O local do naufrágio do antigo porta-aviões, Independência, está localizado na região norte do Santuário Marinho Nacional da Baía de Monterey. Half Moon Bay, Califórnia foi o porto de operações para o Independência missão de pesquisa. O primeiro levantamento de sonar multifeixe do Independência local foi conduzido pelo navio NOAA Okeanos Explorer em 2009. (Crédito: Escritório de Pesquisa e Exploração Oceânica da NOAA e Escritório de Santuários Marinhos Nacionais da NOAA.)

Mudança de status

Vista aérea do USS Independência (CVL 22) em andamento em 15 de julho de 1943 na Baía de São Francisco, Califórnia. Antes de partir de São Francisco, USS IndependênciaA classificação do casco & rsquos mudou de CV 22 & ldquoaircraft carrier & rdquo para CVL 22, & ldquolight aeroplane. & rdquo (Crédito: Marinha dos EUA, Arquivos Nacionais, 80-74436.)

Danos de teste

Vista aérea do ex-USS Independênciaancorado na Baía de São Francisco, Califórnia, em janeiro de 1951. Há danos visíveis nos testes da bomba atômica no Atol de Bikini. (Crédito: Parque Histórico Nacional Marítimo de São Francisco, P82-019a.3090pl_SAFR 19106.)

O navio hoje

O ROV obteve várias imagens de sonar de cada seção do navio, dando uma imagem de alta resolução. O sonar pintou uma imagem nítida do navio, com as cores mostrando sua topografia. (Crédito: NOAA / Boeing.)


O SD 1943 parte 2

PARA AUSTRALIA:
Acolhemos qualquer tratado, especialmente alianças econômicas e comerciais, a fim de melhorar nossos dois países. Devemos levar as questões pelos canais diplomáticos (ou seja, PM).
OOC: Você não deveria estar preocupado com os recentes ataques no Pacífico. E você está construindo um CARRIER DE AERONAVES. VOCÊ NÃO PODE.
Enfim, você tem apenas um especializado em construção militar porque a Segunda Guerra Mundial nunca aconteceu. Eles podem ter estado na Segunda Guerra Mundial, mas não aqui. Você tem 1
ESTOU 100% CORRETO!

Engraçado, mas descobri que os navios de combate de Jame na Segunda Guerra Mundial desses estaleiros estavam construindo navios de guerra antes de 1940,
Local Nome do estaleiro Tipo de navio
Newcastle Engineering & ampShipbuiling Undertaking Fragates
Brisbane Evans, Deakin & amp co. Fragatas
Maryborough Walkers Ltd Frigates
(Não tenho certeza sobre este, ainda estou pesquisando)
Davonport Union Steal Cruisers

então mais aquele que você disse que eu tenho e os oito que já encontrei, isso me dá um total de 13 estaleiros. agora você prova que eles não existiam.

Eu também estou pesquisando esses estaleiros para ver se eles eram inexistentes naquela época e o que eles poderiam estar fazendo.
Austel Ships Pty Ltd. Henderson Austrália Ocidental 6166

SBF Shipbuilders Australia South Coogee Western Australia 6166

Estaleiros navais internacionais Henderson Austrália Ocidental 6166

Port Lincoln Ship Construction Pty Ltd Port Lincoln South Australia 5606

Lloyd’s Envia Austrália Bulimba Queensland 4171

Transfield Shipbuilding Pty Ltd Williamstown Victoria 3016

Big Steve

Slayer of Fools

Para a França: O Império do Japão não abandonará Nguyen Ai Quoc e se retirará da Indochina. Se você deseja travar uma guerra por causa disso, você pode vir. Ousamos dizer, entretanto, que se você fizer isso, provavelmente terá assuntos mais urgentes perto de sua terra natal dentro de um curto período de tempo.

Ações:
Duas divisões foram liberadas do Comando do Distrito Militar de Nanning para se juntar à força de invasão. Eles serão encaminhados para ajudar na tomada e na manutenção de Hanói, na preparação para uma nova viagem ao sul de Saigon. Outras três divisões da China Central ou Exército da Pátria foram embaralhadas para o sul, ou estão programadas para ser.
No Japão, enquanto o Exército está exultante por honrar o imperador por meio de vitórias contra os franceses, existe a preocupação de que a União Soviética possa usar isso como uma oportunidade para terminar de isolar a Coreia da China continental, lançando um ataque ao que resta de Manchukuo . Como tal, eles pediram que mais nenhuma divisão fosse enviada para o sul.
Uma nova fábrica de veículos blindados foi inaugurada em Xangai, com máquinas-ferramenta para construir um modelo japonês vagamente baseado no Panther alemão, o Type 31. Os primeiros modelos estarão disponíveis em setembro.

Big Steve

Slayer of Fools

ANÚNCIO DO GOVERNO DE SUA MAJESTADE IMPERADOR HIROHITO, REGENTE DOS POVOS E DAS TERRAS DO JAPÃO, FORMOSA, COREIA E CHINA IMPERIAL

O Império do Japão reconhece oficialmente Nguyen Ai Quoc como o chefe de estado de uma nação independente da Indochina, com um governo de sua escolha. Não reconheceremos as reivindicações imperiais francesas ou as reivindicações de qualquer outra nação sobre os povos soberanos da Indochina.

Cavalier

Cavaleiro da futilidade

Soldado

JakeDeath

Um dos mais antigos

Devido à recente declaração de guerra da República Francesa contra o Reino dos Países Baixos, nós, a Comunidade das Ilhas Conjuntas, por meio deste documento oferecemos uma declaração de guerra com a República Francesa! Apreendemos todas as propriedades e unidades francesas com nossas fronteiras, incluindo dez navios de carga carregados com materiais de guerra. Também colocamos Um embargo de materiais estratégicos (petróleo, aço, alumínio, etc.) foi levantado contra a República Francesa. A partir da meia-noite, não havia mais nenhuma Unidade JIC na França. E estamos retirando a 8ª Divisão de Infantaria Australiana e a força aérea da Malásia e da Indochina. Esperamos que essas ações não permitam novas hostilidades. Temos grandes esperanças de que a paz seja privada.

A Joint Island Commonwealth reconhece oficialmente Nguyen Ai Quoc como chefe de estado de uma nação independente da Indochina, com um governo de sua escolha.

Primeiro Ministro Alix Markus
Para os EUA

Gostaríamos de oferecer um tratado com sua nação. Esperamos que esta seja uma amizade de longo prazo.

Primeiro Ministro Alix Markus

Para o Reino da Holanda (Segredo)
diga o que você precisa e quando.

Primeiro Ministro Alix Markus

Desdobramento, desenvolvimento
Todas as unidades estão em alerta máximo! A nação é levada a um nível de produção em tempo de guerra (para incluir os estaleiros)

Fenris Ulfric

Devido à recente sequência de hostilidades abertas em todo o mundo, os Estados Unidos estão, pela primeira vez desde a Grande Guerra, convocando voluntários para se juntarem ao Exército dos EUA, à Força Aérea do Exército dos EUA e ao Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA com o objetivo de aumentar o número de militares permanentes poder das Forças Armadas dos Estados Unidos. A produção de armas está sendo aumentada em conformidade.

Os exercícios navais dos EUA nas Filipinas foram cancelados. As forças do Atlântico reportarão de volta às suas bases, enquanto as forças do Pacífico serão realocadas em San Diego e Pearl Harbor.

Em meio a protestos públicos devido ao aparente perigo iminente (especialmente considerando a guerra que estourou no Caribe), o Congresso está revisitando a Lei de Neutralidade com o objetivo de revisar ou anular a lei.

CV-23 USS Anteitam planejado para estabelecer em outubro de 1943.
CV-24 USS Gettysburg planejado para assentamento em novembro de 1943.
CV-25 USS Vicksburg planejado para estabelecer em dezembro de 1943


USA Communications:
Para a República da França, o Império do Japão, Holanda e Austrália:

Os Estados Unidos se oferecem para sediar uma conferência para buscar uma solução para o conflito atual e restabelecer relações pacíficas entre os combatentes antes que esse conflito se transforme em algo ainda maior.

Big Steve

Slayer of Fools

Ok, ok, eu tenho que entrar aqui.

JD, agradeço todo o seu apoio, mas mesmo com a independência da Grã-Bretanha você ainda depende muito do comércio britânico e coisas do gênero, e, portanto, os interesses britânicos ainda serão capazes de influenciá-lo. Grã-Bretanha é não vou gostar de seu governo se posicionando contra o aliado deles, e, portanto, tenho que anular isso.

E, também, não há unidades australianas, ou unidades da Commonwealth para esse assunto, na Indochina. É um território francês.

Big Steve

Slayer of Fools

Fenris Ulfric

Nação: Estados Unidos
População: 132,0 milhões (taxa de crescimento anual de 5%)
Territórios: Porto Rico, Alasca, Havaí, Filipinas, Guam
Governo: República Federal
Capital: Washington, D.C.
Moeda: dólares
Indústria: # 1 no mundo (mais de 200% maior do que # 2)
Economia: Forte
Comerciante Marinho:

10 milhões de toneladas
Reservas Estratégicas (construídas desde 1939):
-Aço: 2,15 milhões de toneladas (50 mil toneladas / mês)
-Carvão: 1.175 milhões de toneladas (25k toneladas / mês)
-Óleo (não refinado): 4,3 milhões de barris (100k barris / mês)
-Óleo (combustível): 4,3 milhões de barris (100 mil barris / mês)
-Petrol (gasolina): 4,3 milhões de barris (100k barris / mês)
-Petrol (Combustível de Aviação): 4,3 milhões de barris (100k barris / mês)
-Alumínio: 2,15 milhões de toneladas (50 mil toneladas / mês)

Recursos: carvão, cobre, chumbo, molibdênio, fosfatos, urânio, bauxita, ouro, ferro, mercúrio, níquel, potássio, prata, tungstênio, zinco, petróleo, gás natural e madeira

EXÉRCITO:
Infantaria: 140,000
Divisões: 10 (14.000 cada)
- Recrutamento: 1 / mês por 10 meses

Blindado: 58,000
Divisões: 4 (14.500)
- Recrutamento: 1 / mês por 6 meses
Veículos Blindados por Divisão:
-M5A1: 200
-M4A1-M4A4: 230
-M6A1: 20
-M10: 50
- Caminhões sortidos, jipes, meias-trilhas e artilharia

MARINE CORPS: 140,000
Divisões: 10 (14.000 homens cada)
- Recrutamento: 1 / mês por 10 meses
Esquadrões: 48 (24 aeronaves / esquadrões Fly F4Us)
- Recrutamento: 1 / mês por 12 meses

ARMY AIR CORPS:
Esquadrões de caça: 96
- 24 aviões / esquadrão
- 2.304 aviões
Esquadrões de bombardeiros: 96
- 12 aviões / esquadrão
- 1152 aviões
Esquadrões de Observação: 30
- 12 aviões / esquadrão
- 360 aviões
Esquadrões de transporte de tropas: 75
- 12 aviões / esquadrão
- 900 aviões

Equipamento:
-M3 varientes: 341
-M5A1: 900 de 2100
- 250 / mês (pedido de 1200)
-M4A1-M4A4: 1342 de 2842
- 250 / mês (pedido de 1500)
-M6A1: 140 (Pedido de 600)
- 20 / mês
-M10 Destruidor de Tanques: 277 de 577
- 80 / mês (pedido de 300)

Aeronave: (Capacidade máxima de 2.400 / mês, depois de mobilização)
T-6 & quotTexan & quot: 1.982
F-4 & quotLightning & quot: 99
C-46 & quotCommando & quot: 600
C-47 & quotSkytrain & quot: 240
UC-67: 18
C-69 & quotConstelação & quot: 120
C-69A (Transporte de Tropa): 100
C-87 & quotLiberator Express & quot: 87
P-38 & quotLightning & quot: 89
P-38C & quot; Iluminação: 90
P-38F & quotLightning & quot: 400 de 600
- 60 / mês (pedido de 200)
P-39C & quotAiracobra & quot: 90
P-39D & quotAiracobra & quot: 180 de 280
--40 / mês (ordem de 100)
P-40 & quotWarhawk & quot: 140
P-40B & quotWarhawk & quot: 141
P-40C & quotWarhawk & quot: 750 de 850
--80 / mês (ordem de 100)
P-47B & quotThunderbolt & quot: 450
P-47C & quotThunderbolt & quot: 320
P-47D & quotThunderbolt & quot: 600 de 920
--60 / mês (pedido de 320)
YP-59A & quotAiracomet: 0
- 13 pedido (entrega em setembro / 43)
P-62: 0 (pedido para 100)
- 25 / mês em setembro / 43
F4F & quotWildcat & quot: 200 de 300
- 25 / mês (ordem de 100)
F4U & quotCorsair & quot: 1800 de 2600
--160 / mês (Pedido de 800)
SBD1 & quotDauntless & quot: 700
SB2C & quotHelldiver & quot: 600 de 950
- 35 / mês (pedido de 350)
TBF-1 & quotAvenger & quot: 1134 de 1634
--50 / mês (ordem de 500)
B-17F & quot Fortaleza voadora & quot: 303 de 543
- 24 / mês (pedido de 240)
B-20 & quotHavoc & quot: 70
B-24 & quotLiberator & quot: 320 de 543
- 24 / mês (pedido de 240)
B-25 & quotMitchell & quot: 580
- 25 / mês (EM ESPERA)
B-26 & quotMarauder & quot: 420 de 720
- 30 / mês (pedido de 300)
B-29 & quotSuper Fortress & quot: 24 de 400
--24 / mês (pedido de 400)
Modelo 28 Catalina (Catalina PBY): 300 de 500
- 20 / mês (pedido de 200)
Martin PBM & quotMariner & quot: 120 de 240
- 12 / mês (pedido de 120)
Sikorski R-4: 130
Sikorski R-6: 60 (pedido de 120 colocado)
- 15 / mês


Marinha:
Propostas de hidroavião: 1
AV-3 U.S.S. Langley

Porta-aviões de frota: 9
- CLASSE 2 DELEXINGTON
CV-2 U.S.S. Lexington
CV-3 U.S.S. Saratoga
- CLASSE RANGER 1
CV-4 U.S.S. guarda-florestal (Deveres de Treinamento)
- Classe Yorktown: 3
CV-5 U.S.S. Yorktown
CV-6 U.S.S. Empreendimento
CV-8 U.S.S. Hornet
- Classe Wasp: 1
CV-7 U.S.S. Vespa
--ESSEX CLASS: 2 (3 em construção)
CV-9 U.S.S. Essex
CV-10 U.S.S. Bon HommeRichard
CV-11, EUA Intrépido [Com: 29/11/43]
CV-12 U.S.S. Cabot [Com: 17/02/44]
CV-13, EUA Bunker Hill [Com: 24/05/44]
- CLASSE AUTOMÁTICA: 0 (3 em construção)
CV-23, EUA Anteitam [LD: Out / 43 Com: Set / 45]
CV-24 U.S.S. Gettysburg [LD: Nov / 43 Com: Out / 45]
CV-25 U.S.S. Vicksburg [LD: Dez / 43 Com: Nov / 45]

Porta-aviões leves: 8
- CLASSE DE INDEPENDÊNCIA: 8 (1 em construção)
CVL-14 U.S.S. Independência
CVL-15 U.S.S. Princeton
CVL-16 U.S.S. Belleau Wood
CVL-17 U.S.S. Cowpens
CVL-18 U.S.S. Monterey
CVL-19 U.S.S. Langley
CVL-20 U.S.S. Wilmington
CVL-21 U.S.S. Bataan
CVL-22 U.S.S. San Jacinto [Com: 15/12/43]

Transportadores de escolta: 4
- CLASSE SANGAMON: 4
CVE-3 U.S.S. Sangamon
CVE-4 U.S.S. Suwannee
CVE-5 U.S.S. Chenango
CVE-6 U.S.S. Santee

Encouraçados: 29
- CLASSE FLORIDA: 1
BB-31 U.S.S. Utah (Escola de Artilharia)
- CLASSE WYOMING: 1
BB-32 U.S.S. Wyoming (Escola de Artilharia)
- AULA DE NOVA YORK: 2
BB-34 U.S.S. Nova york
BB-35 U.S.S. Texas
- CLASSE NEVADA: 2
BB-36 U.S.S. Nevada
BB-37 U.S.S. Oklahoma
- CLASSE PENSILVÂNIA: 2
BB-38 U.S.S. Pensilvânia
BB-39 U.S.S. Arizona
--NEW MEXICO CLASS: 3
BB-40 U.S.S. Novo México
BB-41 U.S.S. Mississippi
BB-42 U.S.S. Idaho
--TENNESSEE CLASS: 2
BB-43 U.S.S. Tennessee
BB-44 U.S.S. Califórnia
--COLORADO CLASS: 3
BB-45 U.S.S. Colorado
BB-46 U.S.S. Maryland
BB-48 U.S.S. West Virginia
--NORTH CAROLINA CLASS: 2
BB-55 U.S.S. Carolina do Norte
BB-56 U.S.S. Washington
--SOUTH DAKOTA CLASS: 4
BB-57 U.S.S. Dakota do Sul
BB-58 U.S.S. Indiana
BB-59 U.S.S. Massachusetts
BB-60 U.S.S. Alabama
--IOWA CLASS: 6
BB-61 U.S.S. Iowa
BB-62 U.S.S. Nova Jersey
BB-63 U.S.S. Missouri
BB-64 U.S.S. Wisconsin
BB-65 U.S.S. Illinois
BB-66 U.S.S. Kentucky
--MONTANA CLASS: 1 (4 Under Construction)
BB-67 U.S.S. Montana
BB-68 U.S.S. Ohio [Com: Jan.7/44]
BB-69 U.S.S. Maine [Com: Aug.1/44]
BB-70 U.S.S. Nova Hampshire [Com: Jun.29/45]
BB-71 U.S.S. Louisiana [Com: Sep.31/45]

Large Cruisers: 0
--ALASKA CLASS: 0 (6 Under Construction)
CB-1 U.S.S. Alasca [Com: Jun.17/44]
CB-2 U.S.S. Guam [Com: Sep.17/44]
CB-3 U.S.S. Havaí [Com: Jul.5/44]
CB-4 U.S.S. Filipinas [Com: Nov.10/44]
CB-5 U.S.S. Porto Rico [Com: Jan.2/45]
CB-6 U.S.S. Samoa [Com: Feb.14/45]

Heavy Cruisers: 20
--PENSACOLA CLASS: 2
CA-24 U.S.S. Pensacola
CA-25 U.S.S. Salt Lake City
--NORTHAMPTON CLASS: 6
CA-26 U.S.S. Northampton
CA-27 U.S.S. Chester
CA-28 U.S.S. Louisville
CA-29 U.S.S. Chicago
CA-30 U.S.S. Houston
CA-31 U.S.S. Augusta
--PORTLAND CLASS: 2
CA-33 U.S.S. Portland
CA-35 U.S.S. Indianápolis
--NEW ORLEANS CLASS: 7
CA-32 U.S.S. Nova Orleans
CA-34 U.S.S. Astoria
CA-36 U.S.S. Minneapolis
CA-37 U.S.S. Tuscaloosa
CA-38 U.S.S. São Francisco
CA-39 U.S.S. Quincy
CA-44 U.S.S. Vincennes
--WICHITA CLASS: 1
CA-45 U.S.S. Wichita
--BALTIMORE CLASS: 2 (2 Under construction)
CA-68 U.S.S. Baltimore
CA-69 U.S.S. Boston
CA-70 U.S.S. Pittsburgh [Com: Oct.14/43]
CA-71 U.S.S. St.Paul [Com: Dec.15/43]

Light Cruisers: 26
--OHMAHA CLASS: 10
CL-4 U.S.S. Omaha
CL-5 U.S.S. Milwaukee
CL-6 U.S.S. Cincinnati
CL-7 U.S.S. Raleigh
CL-8 U.S.S. Detroit
CL-9 U.S.S. Richmond
CL-10 U.S.S. Concord
CL-11 U.S.S. Trenton
CL-12 U.S.S. Marblehead
CL-13 U.S.S. Memphis
--BROOKLYN CLASS: 7
CL-40 U.S.S. Brooklyn
CL-41 U.S.S. Filadélfia
CL-42 U.S.S. Savannah
CL-43 U.S.S. Nashville
CL-46 U.S.S. Fénix
CL-47 U.S.S. Boise
CL-48 U.S.S. Honolulu
--ST.LOUIS CLASS: 2
CL-49 U.S.S. St.Louis
CL-50 U.S.S. Helena
--CLEVELAND CLASS: 7 (4 Under Construction)
CL-55 U.S.S. Cleveland
CL-56 U.S.S. Columbia
CL-57 U.S.S. Montpelier
CL-58 U.S.S. Denver
CL-60 U.S.S. Santa Fé
CL-62 U.S.S. Birmingham
CL-63 U.S.S. Móvel
CL-64 U.S.S. Biloxi
CL-65 U.S.S. Vicksburg [Com: Dec.20/43]
CL-66 U.S.S. Miami [Com: Dec.28/43]
CL-67 U.S.S. Astoria [Com: May.17/44]

Anti-Aircraft Cruisers: 5
--ATLANTA CLASS: 4
CLAA-51 U.S.S. Atlanta
CLAA-52 U.S.S. Juneau
CLAA-53 U.S.S. San Diego
CLAA-54 U.S.S. San Juan
--OAKLAND CLASS: 1 (Under Constuction: 1)
CLAA-59 U.S.S. Oakland
CLAA-61 U.S.S. Reno [Com: Dec.29/43]

Destroyers: 301
Sampson Class: 1
Caldwell Class: 4
Wickes Class: 37
Wickes-Little Class: 23
Wickes-Lamberton Class: 10
Wickes-Tattnall Class: 9
Clemson Class Destroyers: 86
Farragut Class: 8
Porter Class: 8
Mahan Class: 16
Dunlap Class: 2
Gridley Class: 4
Bagley Class: 8
Somers Class: 5
Benham Class: 10
Sims Class: 12
Benson Class: 6
Benson-Gleaves Class: 18
Fletcher Class: 34 (3 Under Construction)
--(Sep43: 1, Dec43: 2)

Submarines: 144
O Type: 7
R Type: 19
S-1 Type: 20
S-11 Type: 7
S-42 Type: 6
S-48 Type: 1
B Type: 3
A Type: 1
Nautilus Class: 2
Dolphin Class: 1
Cachalot Class: 2
Porpoise Class: P-1 Type: 2
Porpoise Class: P-3 Type: 2
Porpoise Class: P-5 Type: 6
Salmon Class: 6
Sargo Class: 10
Tambor Class: 6
Mackerel Class: 2
Gar Class: 6
Gato Class: 35

LSDs: 2
--Ashland Class: 2 (7 Under Construction)
LSD-1 U.S.S. Ashland x
LSD-2 U.S.S. Belle Grove x
LSD-3 U.S.S. Carter Hall [Com: Sep.18/43]
LSD-4 U.S.S. Eastway [Com: Nov.11/43]
LSD-5 U.S.S. Floresta Epping [Com: Nov.10/43]
LSD-6 U.S.S. Gunston Hall [Com: Dec.9/43]
LSD-7 U.S.S. Lindenwald [Com: Jan.5/44]
LSD-8 U.S.S. Oak Hill [Com: Jan.29/44]
LSDF-1 U.S.S. Carribean [Com: Jan.5/44]
LSD-9 U.S.S. Casa Grande [Com: Mar.7/44]

LSTs: 22
LST-1 CLASS: 22


Expanded NAVY Forces Deployment Scheme:
*Ships in bold are fleet flagships.
Active Aircraft: 1223
-F4U Corsair: 524
-TBF-1 Avenger: 337
-SB2D Helldiver: 378

ATLANTIC COMMAND:
Atlantic Battle Division 1:
CV: Yorktown
CVL: Langley
BBs: Dakota do Sul, Indiana, e Carolina do Norte
CAs: Pensacola e Salt Lake City
CLs: Omaha, Milwaukee, Brooklyn, e Wichita
CLAA: Juneau
DDs: 21
Flight Wing: 135
-Corsair: 48/15
-Avenger: 16/15
-Helldiver: 26/15
Home Port: Charleston

Atlantic Battleship Division 1
CV: Lexington
CVL: Independência
BBs: Maryland, West Virginia, Mississippi, Idaho, Pennsylvania, e Nevada
CAs: Indianápolis, Chicago, Houston, e Augusta
CLs: Raleigh, Detroit, Richmond, Concord, Honolulu, e Helena
DDs: 24
Flight Wing: 135
-Corsair: 48/15
-Avenger: 16/15
-Helldiver: 26/15
Home Port: Philadelphia

Atlantic Escort Squadron 1:
BB: Nova york
CVEs: Sangamon e Suwannee
Flight Wing: 72
-Corsair: 12/12
-Avenger: 12/12
-Helldiver: 12/12

Atlantic Escort Squadron 2:
BB: Texas
CVEs: Chenango e Santee
Flight Wing: 72
-Corsair: 12/12
-Avenger: 12/12
-Helldiver: 12/12

Destroyer Squadron 1:
DDs: 16
Home Port: New York

Destroyer Squadron 2:
DDs: 16
Home Port: Philadelphia

Destroyer Squadron 3:
DDs: 16
Home Port: Charleston


PACIFIC COMMAND
Pacific Battle Division 1:
CV: Essex
CVL: Monterey
BBs: Iowa, Nova Jersey, Missouri
CAs: Tuscaloosa, São Francisco, Quincy, Vincennes
CLs: Montpelier, Denver, Santa Fé, e Birmingham
CLAA: Atlanta
DDs: 21
Flight Wing: 148
-Corsair: 48/15
-Avenger: 21/15
-Helldiver: 34/15
Home Port: San Diego

Pacific Battle Division 2:
CV: Hornet
CVL: Wilmington
BBs: Massachusetts, Alabama, e Washington
CAs: Portland, Indianápolis, Astoria, e Minneapolis
CLs: Cincinnati, Cleveland, Columbia, e St.Louis
CLAA: San Diego
DDs: 21
Flight Wing: 135
-Corsair: 48/15
-Avenger: 16/15
-Helldiver: 26/15
Home Port: San Diego

Pacific Battle Division 3:
CVs: Empreendimento e Bon HommeRichard
CVL: Princeton
BBs: Montana, Wisconsin, e Illinois
CAs: Baltimore e Boston
CLs: Móvel e Biloxi
CLAA: Oakland
DDs: 16
Flight Wing: 248
-Corsair: 48/49/15
-Avenger: 24/26/15
-Helldiver: 26/26/15
Home Port: Pearl Harbor

Pacific Carrier Task Force 1:
CV: Vespa
CVL: Cowpens
BB: Kentucky
CA: Portland
CLs: Filadélfia e Savannah
CLAA: San Juan
DDs: 16
Flight Wing: 128
-Corsair: 27/15
-Avenger: 28/15
-Helldiver: 28/15
Home Port: San Francisco

Pacific Battleship Division 1
CV: Saratoga
CVL: Belleau Wood e Bataan
BBs: Oklahoma, Arizona, Novo México, Tennessee, Califórnia, e Colorado
CAs: Nova Orleans, Northampton, Chester, e Louisville
CLs: Trenton, Marblehead, Memphis, Nashville, Fénix, e Boise
DDs: 24
Flight Wing: 180
-Corsair: 48/15/45
-Avenger: 16/15/45
-Helldiver: 26/15/45
Home Port: Pearl Harbor

Destroyer Squadron 4:
DDs: 16
Home Port: Pearl Harbor

Destroyer Squadron 5:
DDs: 16
Home Port: San Diego

Destroyer Squadron 6:
DDs: 16
Home Port: Manila

Destroyer Squadron 7:
DDs: 16
Home Port: San Francisco

Destroyer Squadron 8:
DDs: 16
Home Port: Anchorage

Destroyer Squadron 9:
DDs: 16
Home Port: Manila

Destroyer Squadron 10:
DDs: 16
Home Port: Manila


Submarine Command:
Active Submarines: 135
Atlantic Command, East Coast: 47
-S-1 Type: 10
-B Type: 3
-A Type: 1
-Gato Class: 10
-O Type: 7
-R Type: 19
-Tambor Class: 6
North Atlantic Command: 21
-S-1 Type: 10
-S-48 Type: 1
-Gato Class: 10
Caribbean Command: 10
-Gato Class: 10
Gulf of Mexico Command: 23
-S-11 Type: 7
-Salmon Class: 6
-Sargo Class: 10
Panama Command: 8
-Mackerel Class: 2
-Gar Class: 6
West Coast Command: 11
-S-42 Type: 6
-Gato Class: 5
Central Pacific Command: 10
-Porpoise Class: P-1 Type: 2
-Porpoise Class: P-3 Type: 2
-Porpoise Class: P-5 Type: 6
Southwest Pacific Command: 5
-Nautilus Class: 2
-Dolphin Class: 1
-Cachalot Class: 2

Expanded Land Forces Deployment Scheme:
TOTAL FORCES:
-Infantry: 10
-Armored: 4
-Marines: 10
-Marine Corps Air Squadrons: 48
New England:
-Infantry: 2
-Armored: 1
-MCAS: 8
Southeast USA
-Infantry: 3
-Armored: 2
-MCAS: 8
Western USA:
-Infantry: 4
-Armored: 1
-MCAS: 10
Alaska:
-Infantry: 1
-MCAS: 4
Havaí:
-Marines: 4
-MCAS: 4
Panama (canal guard):
-Marines: 2
-MCAS: 4
Manila:
-Marines: 3
-MCAS: 6
Wake:
-Marines: 1/4
-MCAS: 1
Midway:
-Marines: 1/4
-MCAS: 2
Guam:
-Marines: 1/2
-MCAS: 1

ARMY AIR CORPS DISPOSITION:
Fighter Groups (F/G): 32
Bomber Groups (B/G): 24
Observation Groups (O/S): 10
Troop Carrier Groups (TC/G): 25

Air Forces:
3rd Air Force: Station: Panama
--Fighter Groups: 2
3rd F/G: P-38F
10th F/G: P-47D
--Bomber Groups: 1
20th B/G: B-26
--Observation Groups: 1
--Troop Carrier Groups: 3

5th Air Force: Station: Southeast USA
--Fighter Groups: 7
1st F/G: P-38F
2nd F/G: P-39D
8th F/G: P-47D
17th F/G: P-47C
18th F/G: P-47C
27th F/G: P-40C
28th F/G: P-40C
--Bomber Groups: 6
4th B/G: B-26
5th B/G: B-17F
6th B/G: B-17F
13th B/G: B-24
16th B/G: B-24
21st B/G: B-25
--Observation Groups: 2
--Troop Transport Groups: 7


8th Air Force: Station: New England
--Fighter Groups: 10
4th F/G: P-40C
5th F/G: P-40C
19th F/G: P-47B
20th F/G: P-47B
25th F/G: P-47B
26th F/G: P-47B
29th F/G: P-40C
30th F/G: P-40C
31st F/G: P-40C
32nd F/G: P-47D
--Bomber Groups: 6
1st B/G: B-17F
2nd B/G: B-25
3rd B/G: B-26
14th B/G: B-24
15th B/G: B-24
22nd B/G: B-25
--Observation Groups: 2
--Troop Transport Groups: 5

9th Air Force: Location: Western USA
--Fighter Groups: 5
6th F/G: P-39D
7th F/G: P-38F
9th F/G: P-47D
21st F/G: P-38
22nd F/G: P-38C
--Bomber Groups: 6
7th B/G: B-25
8th B/G: B-26
9th B/G: B-17F
17th B/G: B-24
23rd B/G: B-24
24th B/G: B-25
--Observation Groups: 2
--Troop Transport Groups: 6

10th Air Force: Location: Hawaii
--Fighter Groups: 5
11th F/G: P-40C
12th F/G: P-47D
13th F/G: P-47D
23rd F/G: P-40C
24th F/G: P-40C
--Bomber Groups: 3
10th B/G: B-20
11th B/G: B-17F
18th B/G: B-25
--Observation Groups: 2
--Troop Transport Groups: 2

14th Air Force: Location: Philippines
--Fighter Groups: 3
14th F/G: P-47D
15th F/G: P-38F
16th F/G: P-38F
--Bomber Groups: 2
12th B/G: B-26
19th B/G: B-25
--Observation Groups: 1
--Troop Transport Groups: 2

Volunteer Squadrons/Wings:
o "Flying Tigers": P-40Cs (Station: Philippines)


History of a carrier

The Independence was among the first vessels that were converted to light aircraft carriers following the Japanese attack at Pearl Harbor. It operated in the central and western Pacific from November 1943 through August 1945, said Delgado. Following the war, the Independence was assigned to Operation Crossroads, where it was placed among a fleet of vessels within about 1,700 feet (512 meters) of the "ground zero" blast from the atomic bomb tests to examine the effects of shock waves, heat and radiation.

While 21 ships sank outright during the Bikini Atoll tests, the Independence survived, heavily damaged, and was returned to the United States.

Using the declassified documents, Delgado's team found that the ship was then used for decontamination studies. A memorandum to the Chief of Naval Operations from the Bureau of Ships and the Bureau of Medicine and Surgery notes that, "the intensity of the radioactive contamination acquired at Bikini has decreased during the intervening three years, so that many parts of the ship are now below the tolerance level established for peace-time industrial operations."

Yet, the government decided to establish the Naval Radiological Defense Laboratory on the ship and hauled more contaminated materials aboard for study, Delgado told Live Science. [7 Technologies That Transformed Warfare]

The laboratory provided the first training and teaching platform for the how to deal with the waste from the aftermath of an atomic explosion, Delgado said. Radiation levels were constantly monitored, and in 1949, four boilers, condenser units and steam turbines were removed from deep inside the ship's hull to clear more room for depositing radioactive waste, he added.


Introdução

On April 25, 1898 the United States declared war on Spain following the sinking of the Battleship Maine in Havana harbor on February 15, 1898. The war ended with the signing of the Treaty of Paris on December 10, 1898. As a result Spain lost its control over the remains of its overseas empire -- Cuba, Puerto Rico, the Philippines Islands, Guam, and other islands.

Fundo

Beginning in 1492, Spain was the first European nation to sail westward across the Atlantic Ocean, explore, and colonize the Amerindian nations of the Western Hemisphere. At its greatest extent, the empire that resulted from this exploration extended from Virginia on the eastern coast of the United States south to Tierra del Fuego at the tip of South America excluding Brazil and westward to California and Alaska. Across the Pacific, it included the Philippines and other island groups. By 1825 much of this empire had fallen into other hands and in that year, Spain acknowledged the independence of its possessions in the present-day United States (then under Mexican control) and south to the tip of South America. The only remnants that remained in the empire in the Western Hemisphere were Cuba and Puerto Rico and across the Pacific in Philippines Islands, and the Carolina, Marshall, and Mariana Islands (including Guam) in Micronesia.

Following the liberation from Spain of mainland Latin America, Cuba was the first to initiate its own struggle for independence. During the years from 1868-1878, Cubans personified by guerrilla fighters known as mambises fought for autonomy from Spain. That war concluded with a treaty that was never enforced. In the 1890's Cubans began to agitate once again for their freedom from Spain. The moral leader of this struggle was José Martí, known as "El Apóstol," who established the Cuban Revolutionary Party on January 5, 1892 in the United States. Seguindo o grito de Baire, the call to arms on February 24, 1895, Martí returned to Cuba and participated in the first weeks of armed struggle when he was killed on May 19, 1895.

The Philippines Islands

The Philippines too was beginning to grow restive with Spanish rule. José Rizal, a member of a wealthy mestizo family, resented that his upper mobility was limited by Spanish insistence on promoting only "pure-blooded" Spaniards. He began his political career at the University of Madrid in 1882 where he became the leader of Filipino students there. For the next ten years he traveled in Europe and wrote several novels considered seditious by Filipino and Church authorities. He returned to Manila in 1892 and founded the Liga Filipina, a political group dedicated to peaceful change. He was rapidly exiled to Mindanao. During his absence, Andrés Bonifacio founded Katipunan, dedicated to the violent overthrow of Spanish rule. On August 26, 1896, after learning that the Katipunan had been betrayed, Bonifacio issued the Grito de Balintawak, a call for Filipinos to revolt. Bonifacio was succeeded as head of the Philippine revolution by Emilio Aguinaldo y Famy, who had his predecessor arrested and executed on May 10, 1897. Aguinaldo negotiated a deal with the Spaniards who exiled him to Hong Kong with 400,000 pesos that he subsequently used to buy weapons to resume the fight.

Porto Rico

During the 1880s and 1890s, Puerto Ricans developed many different political parties, some of which sought independence for the island while others, headquartered like their Cuban counterparts in New York, preferred to ally with the United States. Spain proclaimed the autonomy of Puerto Rico on November 25, 1897, although the news did not reach the island until January 1898 and a new government established on February 12, 1898.

Estados Unidos

U.S. interest in purchasing Cuba had begun long before 1898. Following the Ten Years War, American sugar interests bought up large tracts of land in Cuba. Alterations in the U.S. sugar tariff favoring home-grown beet sugar helped foment the rekindling of revolutionary fervor in 1895. By that time the U.S. had more than $50 million invested in Cuba and annual trade, mostly in sugar, was worth twice that much. Fervor for war had been growing in the United States, despite President Grover Cleveland's proclamation of neutrality on June 12, 1895. But sentiment to enter the conflict grew in the United States when General Valeriano Weyler began implementing a policy of Reconcentration that moved the population into central locations guarded by Spanish troops and placed the entire country under martial law in February 1896. By December 7, President Cleveland reversed himself declaring that the United States might intervene should Spain fail to end the crisis in Cuba. President William McKinley, inaugurated on March 4, 1897, was even more anxious to become involved, particularly after the New York Journal published a copy of a letter from Spanish Foreign Minister Enrique Dupuy de Lôme criticizing the American President on February 9, 1898. Events moved swiftly after the explosion aboard the U.S.S. Maine on February 15. On March 9, Congress passed a law allocating fifty million dollars to build up military strength. Em 28 de março, o Tribunal de Inquérito Naval dos EUA conclui que uma mina explodiu o Maine. On April 21 President McKinley orders a blockade of Cuba and four days later the U.S. declares war.

The War

Following its declaration of war against Spain issued on April 25, 1898, the United States added the Teller Amendment asserting that it would not attempt to exercise hegemony over Cuba. Two days later Commodore George Dewey sailed from Hong Kong with Emilio Aguinaldo on board. Fighting began in the Phillipines Islands at the Battle of Manila Bay on May 1 where Commodore George Dewey reportedly exclaimed, "You may fire when ready, Gridley," and the Spanish fleet under Rear Admiral Patricio Montojo was destroyed. However, Dewey did not have enough manpower to capture Manila so Aguinaldo's guerrillas maintained their operations until 15,000 U.S. troops arrived at the end of July. On the way, the cruiser Charleston stopped at Guam and accepted its surrender from its Spanish governor who was unaware his nation was at war. Although a peace protocol was signed by the two belligerents on August 12, Commodore Dewey and Maj. Gen. Wesley Merritt, leader of the army troops, assaulted Manila the very next day, unaware that peace had been declared.

In late April, Andrew Summers Rowan made contact with Cuban General Calixto García who supplied him with maps, intelligence, and a core of rebel officers to coordinate U.S. efforts on the island. The U.S. North Atlantic Squadron left Key West for Cuba on April 22 following the frightening news that the Spanish home fleet commanded by Admiral Pascual Cervera had left Cadiz and entered Santiago, having slipped by U.S. ships commanded by William T. Sampson and Winfield Scott Schley. They arrived in Cuba in late May.

War actually began for the U.S. in Cuba in June when the Marines captured Guantánamo Bay and 17,000 troops landed at Siboney and Daiquirí, east of Santiago de Cuba, the second largest city on the island. At that time Spanish troops stationed on the island included 150,000 regulars and 40,000 irregulars and volunteers while rebels inside Cuba numbered as many as 50,000. Total U.S. army strength at the time totalled 26,000, requiring the passage of the Mobilization Act of April 22 that allowed for an army of at first 125,000 volunteers (later increased to 200,000) and a regular army of 65,000. On June 22, U.S. troops landed at Daiquiri where they were joined by Calixto García and about 5,000 revolutionaries.

U.S. troops attacked the San Juan heights on July 1, 1898. Dismounted troopers, including the African-American Ninth and Tenth cavalries and the Rough Riders commanded by Lt. Col. Theodore Roosevelt went up against Kettle Hill while the forces led by Brigadier General Jacob Kent charged up San Juan Hill and pushed Spanish troops further inland while inflicting 1,700 casualties. While U.S. commanders were deciding on a further course of action, Admiral Cervera left port only to be defeated by Schley. On July 16, the Spaniards agreed to the unconditional surrender of the 23,500 troops around the city. A few days later, Major General Nelson Miles sailed from Guantánamo to Puerto Rico. His forces landed near Ponce and marched to San Juan with virtually no opposition.

Representatives of Spain and the United States signed a peace treaty in Paris on December 10, 1898, which established the independence of Cuba, ceded Puerto Rico and Guam to the United States, and allowed the victorious power to purchase the Philippines Islands from Spain for $20 million. The war had cost the United States $250 million and 3,000 lives, of whom 90% had perished from infectious diseases.


NOAA, partners, survey 'amazingly intact' historic WWII-era aircraft carrier

Features on an historic photo of USS Independence CVL 22 are captured in a three-dimensional (3D) low-resolution sonar image of the shipwreck in Monterey Bay National Marine Sanctuary. The Coda Octopus Echoscope 3D sonar, integrated on the Boeing Autonomous Underwater Vehicle (AUV) Echo Ranger, imaged the shipwreck during the first maritime archaeological survey. The sonar image with oranges color tones (lower) shows an outline of a possible airplane in the forward aircraft elevator hatch opening. Credit: NOAA, Boeing, and Coda Octopus

NOAA, working with private industry partners and the U.S. Navy, has confirmed the location and condition of the USS Independência, the lead ship of its class of light aircraft carriers that were critical during the American naval offensive in the Pacific during World War II.

Resting in 2,600 feet of water off California's Farallon Islands, the carrier is "amazingly intact," said NOAA scientists, with its hull and flight deck clearly visible, and what appears to be a plane in the carrier's hangar bay.

Independência (CVL 22) operated in the central and western Pacific from November 1943 through August 1945 and later was one of more than 90 vessels assembled as a target fleet for the Bikini Atoll atomic bomb tests in 1946. Damaged by shock waves, heat and radiation, Independência survived the Bikini Atoll tests and, like dozens of other Operation Crossroads ships, returned to the United States.

While moored at San Francisco's Hunters Point Naval Shipyard, Independência was the primary focus of the Navy's studies on decontamination until age and the possibility of its sinking led the Navy to tow the blast-damaged carrier to sea for scuttling on Jan. 26, 1951.

"After 64 years on the seafloor, Independência sits on the bottom as if ready to launch its planes," said James Delgado, chief scientist on the Independência mission and maritime heritage director for NOAA's Office of National Marine Sanctuaries. "This ship fought a long, hard war in the Pacific and after the war was subjected to two atomic blasts that ripped through the ship. It is a reminder of the industrial might and skill of the "greatest generation' that sent not only this ship, but their loved ones to war."

NOAA's interest in Independência is part of a mandated and ongoing two-year mission to locate, map and study historic shipwrecks in Gulf of the Farallones National Marine Sanctuary and nearby waters. The carrier is one of an estimated 300 wrecks in the waters off San Francisco, and the deepest known shipwreck in the sanctuary.

The mission was conducted last month using an 18.5-foot-long autonomous underwater vehicle (AUV), Echo Ranger, provided by The Boeing Company through a cooperative research and development agreement with NOAA's Office of Oceanic and Atmospheric Research. Boeing also partnered with technology company Coda Octopus to integrate its 3D-imaging sonar system, Echoscope, into the AUV.

"Boeing is excited for the opportunity to partner with NOAA to utilize this state of the art technology," said Fred Sheldon, Boeing project manager for AUVs. "The Echo Ranger is uniquely suited for this type of mission and performed perfectly allowing us to conduct a thorough survey of the USS Independência."

Scientists and technicians on the sanctuary vessel R/V Fulmar followed the AUV as it glided 150 feet above the wreck and successfully surveyed the carrier's nearly intact hull. The survey determined that Independência is upright, slightly listing to starboard, with much of its flight deck intact, and with gaping holes leading to the hangar decks that once housed the carrier's aircraft. To see sonar images, historical photos and other materials, visit http://sanctuaries.noaa.gov/shipwrecks/independence/.

"By using technology to create three-dimensional maps of the seafloor and wrecks like Independência, we can not only explore, but share what we've learned with the public and other scientists," said Frank Cantelas, archaeologist with NOAA's Office of Ocean Exploration and Research, who joined the mission along with Robert Schwemmer, west coast regional maritime heritage coordinator for NOAA's Office of National Marine Sanctuaries.

Delgado, primary author of a 1990 scientific report on the history and archaeology of the ships sunk at Bikini Atoll in the Marshall Islands, said currently there are no plans to enter the vessel or survey drums of hazardous and radioactive waste that were dumped in the sanctuary between 1946 and 1970. No trace of the drums or radiation was observed during the mission, Delgado said.

Gulf of the Farallones National Marine Sanctuary encompasses nearly 3,300 square miles of ocean and coastal waters beyond California's Golden Gate Bridge. The sanctuary supports an abundance of species including the largest breeding seabird rookery in the contiguous United States, and other species such as whales and white sharks.

NOAA's Office of Ocean Exploration and Research is the only federal agency that advances NOAA and national objectives by systematically exploring the planet's largely unknown ocean for the purpose of discovery and the advancement of knowledge.

NOAA's mission is to understand and predict changes in the Earth's environment, from the depths of the ocean to the surface of the sun, and to conserve and manage our coastal and marine resources. Join us on Facebook, Twitter, Instagram and our other social media channels.


NOAA, partners, survey historic WWII-era aircraft carrier

Seventy years after its service in World War II, NOAA, working with private industry partners, has confirmed the location and condition of the USS Independência. Resting upright in 2,600 feet of water off California&rsquos Farallon Islands, the aircraft carrier&rsquos hull and flight deck are clearly visible in sonar images, with what appears to be a plane in the carrier&rsquos hangar bay. Independência (CVL 22) was the lead ship of its class of light aircraft carriers that were critical during the American naval offensive in the Pacific, and later was one of more than 90 vessels assembled as a target fleet for the Bikini Atoll atomic bomb tests in 1946. After returning to the United States, the blast-damaged carrier was scuttled in 1951.

Features on an historic photo of USS Independência CVL 22 are captured in a three-dimensional (3D) low-resolution sonar image of the shipwreck in Monterey Bay National Marine Sanctuary. The Coda Octopus Echoscope 3D sonar, integrated on the Boeing Autonomous Underwater Vehicle (AUV) Echo Ranger, imaged the shipwreck during the first maritime archaeological survey. The sonar image with oranges color tones (lower) shows an outline of a possible airplane in the forward aircraft elevator hatch opening.

Credit: NOAA, Boeing, and Coda Octopus

B-Roll video of Boeing's Autonomous Underwater Vehicles (AUV) Echo Ranger.

During the 2015 mission to survey the ex-USS Independência CVL 22, the Office of National Marine Sanctuaries' research vessel Fulmar served as the escort boat for Boeing’s Autonomous Underwater Vehicle (AUV) Echo Ranger. The 67-foot aluminum catamaran research vessel’s crew is preparing to tow Echo Ranger to sea.

Credit: Robert V. Schwemmer, NOAA

Boeing's project engineer, Ross Peterson, oversees the installation of the lithium polymer battery into Boeing's Autonomous Underwater Vehicle (AUV) Echo Ranger at Half Moon Bay. The battery is specifically designed for the AUV, providing the power needed for the 60 mile roundtrip mission in the Monterey Bay National Marine Sanctuary.

Credit: Robert V. Schwemmer, NOAA

Illustration of Echo Ranger

The shipwreck site of the former aircraft carrier, Independência, is located in the northern region of Monterey Bay National Marine Sanctuary. Half Moon Bay, California was the port of operations for the Independência survey mission. The first multibeam sonar survey of the Independência site was conducted by the NOAA ship Okeanos Explorer in 2009.

Credit: NOAA's Office of Ocean Exploration and Research and NOAA's Office of National Marine Sanctuaries

Muster on the flight deck of USS Independência (CVL 22), 1943. “Attention to Colors,” as the American flag is being hoisted aloft.

Credit: U.S. Navy, National Archives

Aerial view of USS Independência (CVL 22) underway July 15, 1943 in San Francisco Bay, California. Before departing San Francisco, USS Independência&rsquos hull classification changed from CV 22 &ldquoaircraft carrier&rdquo to CVL 22, &ldquolight aircraft carrier.&rdquo

Credit: U.S. Navy, National Archives, 80-74436

Aerial view of ex-USS Independência at anchor in San Francisco Bay, California, January 1951. There is visible damage from the atomic bomb tests at Bikini Atoll.

Credit: San Francisco Maritime National Historical Park, P82-019a.3090pl_SAFR 19106


NOAA, Boeing Survey WWII-Era Carrier USS Independence Sunk Near San Francisco in 1951

Features on an historic photo of USS Independence CVL 22 are captured in a three-dimensional (3D) low-resolution sonar image of the shipwreck in Monterey Bay National Marine Sanctuary. The Coda Octopus Echoscope 3D sonar, integrated on the Boeing Autonomous Underwater Vehicle (AUV) Echo Ranger, imaged the shipwreck during the first maritime archaeological survey. NOAA image.

The National Oceanic and Atmospheric Adminstration (NOAA), the Navy and Boeing together found and surveyed the sunken USS Independência (CVL-22), a light aircraft carrier the Navy sunk in 1951 after subjecting the ship to an atomic bomb blast.

The carrier is upright, slightly listing starboard with its flight deck still in tact – and a plane still in the hangar bay – while sitting 2,600 feet under the ocean’s surface off of California’s Farallon Islands, according to a NOAA press release.

The ship is “amazingly intact,” the release says, noting that the holes found in the ship come from the atomic testing, not deterioration after being sunk.

“After 64 years on the seafloor, Independência sits on the bottom as if ready to launch its planes,” James Delgado, chief scientist on the Independência mission, said in the release.
“This ship fought a long, hard war in the Pacific and after the war was subjected to two atomic blasts that ripped through the ship. It is a reminder of the industrial might and skill of the “greatest generation’ that sent not only this ship, but their loved ones to war.”

Independência operated in the Pacific from 1943 to 1945 and was one of 90 ships the Navy gathered in 1946 as a target fleet for atomic bombing at the Bikini Atoll in the Marshall Islands. The ship was damaged by the heat and radiation but survived. Independência returned to San Francisco, where it was used to study decontamination until it was sunk in 1951.

NOAA is conducting a mission to locate, map and study historic shipwrecks near the Golden Gate Bridge. Independência is one of about 300 sunken ships there and believed to be the deepest. Boeing outfitted its 18.5-foot Echo Ranger unmanned underwater vehicle with Coda Octopus’s Ecoscope 3D-imaging sonar system to survey the Independência wreck site.


Assista o vídeo: Close to Home: Exploring a German U-Boat Sunk off. Coast 1940-1942. Nautilus Live (Dezembro 2021).